Promotora de Justiça da Comarca de Jaboticabal, Ethel Cipele, esteve no local durante a ação (Foto: Reginaldo Coelho/Jornal 101)

Promotora de Justiça da Comarca de Jaboticabal, Ethel Cipele, esteve no local durante a ação (Foto: Reginaldo Coelho/Jornal 101)

A Polícia Civil de Jaboticabal e o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) apreenderam documentos referentes ao concurso público realizado por uma empresa de outra cidade em Jaboticabal. A Ação aconteceu na manhã desta terça-feira (16) no Paço Municipal e contou com a presença da promotora de Justiça, Ethel Cipele. Ao todo, estão sendo investigadas 16 prefeituras e 11 câmaras municipais da região de Ribeirão Preto. Em Jaboticabal, a Câmara dos vereadores não está entre os investigados. Na ação conjunta desta manhã ninguém foi preso no município.

Ação na região

O Gaeco e a Polícia Civil realizam uma operação em 16 prefeituras e 11 câmaras municipais na região. Entre os investigados, estão secretários, vereadores e advogados acusados de envolvimento em fraudes em licitações e concursos públicos. São 55 mandados de busca e apreensão e 20 de prisão.

Documentos foram apreendidos n amanhã desta terça-feira (16) (Foto: fábio Penariol/Jornal 101)

Documentos foram apreendidos n amanhã desta terça-feira (16) (Foto: Reginaldo Coelho/Jornal 101)

A investigação foi iniciada há quatro meses e, entre as fraudes, foi identificado o comando dos crimes. A empresária e vereadora do município de Pradópolis, Marlene Galiaso, é vista como a chefe do grupo criminoso, segundo a Polícia. A empresa envolvida no processo de licitações fraudulentas – a Persona Capacitação – tem sede em Ribeirão Preto.

Concurso polêmico

O concurso, que abriria 86 vagas em diversas áreas em Jaboticabal, gerou polêmica depois de problemas apontados na confecção da prova. Conteúdos equivocados, questões ambíguas, erros de português e respostas e textos errados são alguns dos apontamentos observados no município.

Foram registrados no Sistema Prático da Prefeitura, mais de 90 recursos contra o concurso realizado em Jaboticabal pela empresa Persona Capacitação. Em Bebedouro, o concurso para educação infantil, também de autoria da mesma empresa, foi anulado pelo poder executivo local.

A Prefeitura de Jaboticabal divulgou uma nota à imprensa a respeito da operação ocorrida nas dependências do Paço Municipal. Confira a nota na íntegra:

NOTA À IMPRENSA

A Prefeitura de Jaboticabal informa que no início da manhã do dia 16 de junho o Ministério Público, em razão de uma ação regional capitaneada pelos promotores de Justiça do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) – núcleos de Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Franca, e pelo Setor de Inteligência da Seccional de Polícia de Ribeirão Preto, compareceu ao Paço Municipal para verificar documentos relativos a uma empresa que é alvo de investigação.

A ação foi realizada de forma conjunta em cerca de 20 cidades. Antes mesmo da ação local, a Prefeitura de Jaboticabal já havia dado início ao processo de rescisão do contrato com a empresa investigada no dia 28 de maio de 2015.

Portanto, a Prefeitura de Jaboticabal apoia o Ministério Público em mais uma de suas ações e esclarece que o expediente hoje está sendo normal, desde às 8 horas.

Galeria de Fotos:

Entrevista com o secretário de Governo, José Paulo Lacativa:

Download: Clique, use o botão direito do mouse e escolha a opção ‘salvar como’

Entrevista com a promotora de Justiça da Comarca de Jaboticabal, Ethel Cipele:

Download: Clique, use o botão direito do mouse e escolha a opção ‘salvar como’