A Comissão Especial de Inquérito (CEI) que investiga supostas irregularidades nos atendimentos realizados na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Jaboticabal, ouvirá na noite de hoje, às 19h30, na Câmara Municipal, o marido de Daniela Aparecida Farias, de 27 anos, que estava grávida de seis meses e faleceu junto com o filho em maio deste ano, quando passou pela unidade. Criada há três meses, a CEI realizou três oitivas.

UPA atende cerca de 300 pessoas por dia, segundo coordenadora (Foto: Divulgação/Site Prefeitura)

UPA atende cerca de 300 pessoas por dia, segundo coordenadora (Foto: Divulgação/Site Prefeitura)

O primeiro dia em que a comissão ouviu os envolvidos e pessoas próximas aos que receberam atendimentos, foi numa terça-feira, 23 de junho, onde foram interrogadas a secretária de Saúde do município, Renata Assirati, e a diretora administrativa da UPA, Priscila Mangerona. Já no último dia 30, o professor Marcelo Henrique Armoa também foi ouvido. No caso, ele é uma das pessoas que tiveram problemas com atendimentos no local.

Por último, no dia 14 de julho, o marido de Saralice Piason Ferreira, de 24 anos – uma das duas mulheres que faleceram em menos de 24 horas na UPA – também prestou esclarecimentos aos vereadores. No mesmo dia, quem também conversou com a comissão foi a mãe de um homem que havia sido atendido pela unidade e faleceu na Santa Casa de Ribeirão Preto em 2014.

Informações foram passadas pelo gabinete do vereador João Roberto (PT)  (Foto: Divulgação/Câmara Municipal)

Informações foram passadas pelo gabinete do vereador João Roberto (PT) (Foto: Divulgação/Câmara Municipal)

A CEI é formada pelos vereadores João Roberto (PT) – como presidente da comissão –, Sergio Ramos (PPS), e Carmo Jorge Reino (PV). Além da oitiva que acontece hoje na Câmara, há mais uma que está marcada para amanhã, às 14h30, onde serão ouvidas duas mulheres que também relataram problemas com atendimentos na unidade.