O Abrigo São Lázaro de Jaboticabal, que cuida de cerca de 200 animais abandonados – maioria de cães e gatos – corre risco de fechar as portas, segundo o responsável pela ONG (Organização Não Governamental), Ednei Valencio. De acordo com informações do abrigo, a crise financeira vivida pelo país afetou as doações.

Abrigo de animais pede apoio para não fechar (Foto: Redes Sociais/Ednei Valencio)

Abrigo de animais pede apoio para não fechar (Foto: Redes Sociais/Ednei Valencio)

Em entrevista ao Jornal 101 desta segunda-feira (16) Valencio apontou os problemas da ONG e pediu ajuda para a população e empresários. Na reportagem, o responsável pelo abrigo também falou sobre a falta de apoio da Prefeitura.

Ouça a matéria:

Download: Clique, use o botão direito do mouse e escolha a opção ‘salvar como’

Outro lado

A reportagem do Jornal 101 entrou em contato com a Prefeitura que, em nota, afirmou não ter condições de ajudar financeiramente o abrigo.

Confira a nota da Prefeitura na íntegra:

“A Prefeitura de Jaboticabal não está em condições de ajudar o abrigo do Ednei, o São Lázaro, e nem demais associações infelizmente.

Já temos uma verba fixa que é destinada à Associação Protetora dos Animais (APA), a ONG mais antiga da cidade e que promove a castração diária de animais (professor Jeffrey Lui é o presidente) e que faz, também, mutirões de castração.

Além disso, a Prefeitura de Jaboticabal tem um Canil, que atualmente abriga 33 cães. Resgatamos animais doentes e abandonados e já foi aprovado um projeto de ampliação do Canil Municipal.

A crise nacional afetou também a Prefeitura, que teve sua arrecadação reduzida e vem constatando um nível maior de inadimplência. Diante deste quadro, o prefeito Raul Girio determinou uma série de cortes: desligamento de assessores, corte do cartão alimentação de assessores e redução do horário de expediente, entre outras. Fica, portanto, inviável, neste momento, ajudar financeiramente a ONG que solicitou, o que não nos impede de ajudar a dar dicas de ações que podem levantar fundos para melhorar a situação da ONG”.