O cenário político brasileiro está totalmente conturbado, devido a uma série de ocorrências, com força demolidora semelhante a do furacão Irma, que arrasou várias ilhas do Caribe, provocando gigantescos estragos na Flórida, Estados Unidos.

Nosso país vive situações e revelações jamais pensadas, que desnudam as artimanhas criminosas dos que compõem a elite da politica nacional. Os políticos famosos estão sendo denunciados como envolvidos nos vários processos relacionados a esquemas de corrupção e desvios bilionários de recursos públicos. À frente de todas as “ações escabrosas” contra o nosso Brasil é apontado o presidente Michel Temer, seguido pelos ex-presidentes Lula, Dilma Rousseff, José Sarney e Fernando Collor de Mello. Com a corda no pescoço, por envolvimento nas mais tenebrosas transações, aparecem os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco; os presidentes dos maiores partidos, senadores Romero Jucá (PMDB), Gleici Hoffmann (PT) e Aécio Neves (PSDB); os ex-presidentes da Câmara Eduardo Cunha e Henrique Alves, ambos do PMDB e presos na Polícia Federal; ex-presidente do Senado Renan Calheiros; os ex-ministros petistas Antônio Palocci e José Dirceu, ambos também presos; o ex—governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, também amargando meses na cadeia.

São candidatos à prisão: por volta de 200 dos 513 deputados e 50 dos 81 senadores, indiciados em processos, que tramitam no Supremo Tribunal Federal, por participação nas roubalheiras na Petrobras e em outros órgãos públicos.

Geddel Vieira Lima, também preso na penitenciaria da Papuda, em Brasília, deixou a sociedade brasileira estarrecida, quando a Polícia Federal encontrou R$ 51 milhões que, tudo indica, ele recebeu de propina enquanto era ministro dos governos Lula, Dilma e Temer. Foram justamente estes políticos que mandaram no Brasil, nas últimas décadas. Eles produziram praticamente toda a nossa legislação.  A grande maioria desses políticos tem foro privilegiado, ou seja, serão julgados pelo STF. A torcida é que os 11 ministros da mais alta Corte tenham tempo para estudar todos os processos que os envolvem.

TEMER ENROSCADO

Por decisão do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, foi aberto inquérito para investigar o presidente Michel Temer, por suspeito de corrupção e lavagem de dinheiro na edição de decreto no setor portuário. A investigação vai apurar se o decreto que prorrogou as concessões dos portos por 30 anos foi com o objetivo de beneficiar a empresa Rodrimar, que atua no Porto de Santos, e cujos diretores são ligados a Michel Temer.

O procurador-geral Rodrigo Janot denunciou ao Supremo Tribunal Federal sete caciques peemedebistas no Senado por organização criminosa. Há indícios que eles teriam recebido propinas de R$ 864 milhões, vindos de empresas que realizaram obras na Petrobras e Braspetro. São eles: Edson Lobão, Jader Barbalho, Renan Calheiros, José Sarney, Sergio Machado, Romero Jucá e Valdir Raupp, todos eles ligados a Michel Temer.

Relatório da Policia Federal sobre integrantes do PMDB na Câmara dos Deputados aponta indícios de que o presidente Michel Temer e os ministros Moreira Franco (Secretária-geral) e Eliseu Padilha (Casa Civil) cometeram crime de corrupção. O documento indica também que Temer teria recebido R$ 31,5 milhões de vantagens por participar de suposta organização criminosa, formada por políticos, que atuou na Petrobras e nos governos petistas.

Além de Temer, Moreira e Padilha, o relatório da PF aponta a participação na organização criminosa dos ex-presidentes da Câmara Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves e do ex-ministro Geddel Vieira Lima- todos presos atualmente por crimes investigados nas Operações Lava- Jato e VuiBono.

LULA DETONADO

 

Antônio Palocci, ministro da Fazenda no governo Lula e chefe da Casa Civil no governo Dilma Rousseff, está preso, em Curitiba, desde setembro do ano passado, cumprindo pena de prisão de 12 anos e 2 meses.

Na semana passada, Palocci em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, não mediu palavras na sua denúncia contra Lula. Classificou “suas relações e as do PT com a Construtora Odebrecht como “monstruosa” e delituosa”. Revelou que Lula fez um “pacto de sangue” com Emilio Odebrecht para receber um pacote de propinas, nele incluído o sitio de Atibaia, um terreno, em São Paulo, para a construção da sede do Instituto Lula, e mais R$ 300 milhões para o ex-presidente gastar a seu bel prazer. E ainda recursos para a campanha eleitoral da reeleição da presidente Dilma, em 2014. Em troca dessas “bondades” a Odebrecht foi beneficiada com contratos superfaturados e bilionários na Petrobras, bem como  obras no exterior, principalmente na África, financiadas pelo BNDES.

Outro duro golpe para Lula. O Ministério Público Federal em Brasília denunciou o ex-presidente, o ex-ministro Gilberto Carvalho e mais cinco pessoas por “venda” ao setor automobilístico de uma medida provisória em 2009. Eles são acusados de corrupção na elaboração e edição da MP 471, que prorroga os incentivos fiscais a montadoras instaladas no Nordeste, Norte e Centro-Oeste. O valor da propina paga monta R$ 6 milhões.

UMA QUARTA-FEIRA HISTORICA

A quarta-feira desta semana, dia 13 de setembro, ficará marcada na historia do Brasil pela variedade de noticias politicas, mas todas elas mais apropriadas de serem registradas nas paginas policiais dos jornais. É por serem protagonistas dessas noticias figuras destacadas do cenário politico nacional. E o tema central delas ser a corrupção e os roubos de dinheiros públicos. Vejam:

LULA ATACA PALOCCI Em Curitiba, em depoimento ao juiz federal Sergio Moro, o ex-presidente Lula tentou desqualificar as denuncias feitas contra ele pelo ex-ministro Antônio Palocci, até recentemente seu melhor amigo e orientador econômico. Estava em pauta o processo que investiga a aquisição de um terreno para a construção da sede do Instituto Lula e de um apartamento ao lado do qual Lula mora. Esses imóveis, no valor de R$ 13 milhões, seriam comprados com propina da Construtora Odebrecht. Palocci confirmou essas transações. Lula acusou seu ex-ministro de estar querendo fazer acordo de delação para ficar livre da cadeia, onde se encontra desde o ano passado. O ex-presidente bateu boca com o juiz Sergio Moro sobre a imparcialidade do seu julgamento.

JANOT VENCE TEMER– Em Brasília, o Supremo Tribunal Federal 9 votos a zero garantiu a legitimidade de o procurador-geral Rodrigo Janot investigar o presidente Michel Temer. A expectativa é que a Procuradoria- Geral da Republica ofereça, neste final de semana, uma nova denuncia contra o presidente. Existe, porem, a questão de que na segunda-feira, Rodrigo Janot será substituído pela Procuradora Raquel Dodge.

PUNIÇÃO PARA JOSÉ DIRCEU– O desembargado do Tribunal Regional Federal da 4° Região Victor Laus, pediu vista e interrompeu o julgamento de apelação do ex- ministro José Dirceu contra a pena de 20 anos e 10 meses de prisão imposta pelo juiz federal Sergio Moro em primeira instancia. O relator do processo, João Pedro Gebran Neto, votou pelo aumento da pena do petista para 41 anos e quatro meses. O revisor Leandro Paulsen, pediu para que a pena seja aumentada para 27 anos e quatro meses.

GAROTINHO NA PRISÃO– O ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho foi preso na quarta-feira, durante um programa de radio, na zona norte da cidade. Ele é investigado na Operação Chequinho da Policia Federal. Garotinho é acusado de comprar votos em troca de cadastrar eleitores no programa Cheque Cidadão.

DONOS DA JBS NA CADEIA– Wesley Batista foi preso pela Policia Federal, em São Paulo, na quarta-feira, acusado de fraude contra o mercado financeiro. Como o irmão Joesley, também esta detido na Papuda, em Brasília o conglomerados deles está sem comando. Acionistas buscam nome para comandar o grupo JBS, o maior produtor de carnes do Brasil e um dos maiores do mundo.